Arquivo

Archive for the ‘CURIOSIDADES’ Category

Droga faz cérebro ‘esquecer’ más lembranças

Cientistas descobriram um remédio que ajuda a curar o sofrimento causado por más lembranças. De acordo com o estudo publicado no periódico Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, sob o efeito da droga metirapona, indivíduos que têm más recordações reduzem a habilidade do cérebro de repassar esses momentos. A pesquisa, desenvolvida pela Universidade de Montreal e pelo Centro de Estudos do Stress Humano do Hospital Louis-H. Lafontaine (ambos no Canadá), desafia a teoria de que as memórias não podem ser modificadas uma vez armazenadas no cérebro.

Para chegar aos resultados, a equipe de cientistas contou uma história com aspectos neutros e negativos para 33 homens. Três dias depois, eles foram divididos em três grupos: os que ficaram no primeiro grupo receberam uma dose única de metirapona; os do segundo grupo ingeriram uma dose dupla; e os que caíram no terceiro grupo tomaram um placebo. Depois disso, eles recontaram a história.

O desempenho da memória de cada indivíduo foi avaliada novamente quatro dias depois, tempo suficiente para que a droga desaparecesse do organismo. “Descobrimos que aqueles que tomaram a dose dupla do remédio não conseguiam se lembrar direito das partes negativas do texto, enquanto se lembravam perfeitamente das partes neutras”, disse Marie-France Marin, chefe da pesquisa.

A metirapona é uma droga que reduz bastante os níveis de cortisol, um hormônio do stress que está envolvido no processo da lembrança. Manipular a quantidade de cortisol perto do momento em que novas lembranças se formam pode diminuir as emoções negativas associadas a elas. “Os resultados mostram que quando diminuímos os níveis do hormônio assim que lembramos de algo negativo, podemos enfraquecer essa má lembrança com um efeito duradouro”, disse Sonia Lupien, diretora da pesquisa. “Foi uma surpresa perceber que a redução das lembranças negativas se manteve mesmo com a normalização dos níveis de cortisol, dias depois”, disse Marie.

A pesquisa oferece esperança para pessoas sofrendo de doenças como o transtorno do stress pós-traumático. “Nossa descoberta pode ajudar indivíduos a lidar com eventos traumáticos ao oferecer a elas uma oportunidade para ‘sobrescrever’ as memórias negativas durante a terapia”, explicou Marie. Um grande problema, contudo, é que a metirapona não é mais produzida comercialmente. No entanto, os resultados apontam uma direção para futuros testes clínicos. “Outras drogas reduzem o nível de cortisol e mais estudos com esses compostos vão melhorar o entendimento dos mecanismos do cérebro envolvidos na modulação das lembranças ruins”, afirmou Marie.

Anúncios

Intoxicação alimentar.

Olá Pessoal!!! Depois de passar 2 dias no hospital e mais algumas idas e vindas de la…resolvi escrever aqui sobre intoxicação alimentar!

A intoxicação alimentar é uma infecção causada ao consumir alimento contaminado com bactéria patogênica, toxinas, vírus, príons ou parasitas. A contaminação geralmente decorre do modo inapropriado de manusear, preparar ou estocar comida. Intoxicação alimentar também pode ser causada ao adicionar pesticidas ou medicamentos ao alimento, ou ao acidentalmente consumir substâncias naturalmente venenosas como alguns cogumelos e peixes.  O contato entre alimento e pestes, especialmente moscas, ratos e baratas, também é causa de contaminação do alimento.
Os “contaminantes” mais comuns são as bactérias, especialmente a Salmonela, Shigella, Estafilococos, Campylobacter jejuni, Clostridium, E. coli, Yersinia entre outros…
Os sintomas da intoxicação alimentar geralmente começam várias horas depois da ingestão e, dependendo do agente envolvido, pode incluir alguns dos seguintes: náusea, dor abdominal, vômito, diarréia, febre, dor de cabeça e cansaço. Na maioria dos casos o corpo é capaz de recuperar-se completamente depois de um curto período de doença aguda e desconforto. Porém, intoxicação alimentar pode resultar em problemas de saúde permanentes ou até a morte, especialmente em bebês, mulheres grávidas (e o feto), idosos, pessoas doentes ou com o sistema imunológico fraco.
O tempo entre o consumo de alimento contaminado e o aparecimento dos primeiros sintomas da doença é chamado período de incubação, o qual varia de algumas horas a dias (e raramente meses ou até anos), dependendo do agente e o quanto foi consumido. Se os sintomas aparecerem entre 1-6 horas depois de ingerir o alimento, isso sugere que a intoxicação alimentar foi causada por uma toxina bacteriana ao invés de bactéria viva.
Durante o período de incubação, micróbios passam pelo estômago até o intestino, prendem-se às células do revestimento da parede do intestino, e começam a se multiplicar lá. Alguns tipos de micróbios ficam no intestino, outros produzem toxina absorvida pela circulação sanguínea e uns podem invadir diretamente tecidos mais profundos do corpo.

Como evitar a intoxicação alimentar

Muitas pessoas chegam a achar exagerados alguns dos cuidados que relacionamos abaixo. Mas, considerando os perigos que sua não observância acarreta, eles até que valem a pena. Mas ainda: são precauções muito fáceis de tomar e exigem muito pouco esforço.

  •     Lave sempre as mãos depois de ir ao banheiro e antes de preparar os alimentos. Se você tiver um ferimento nas mãos ou nos braços, proteja – o com esparadrapo e use luvas de borracha.
  •     Lave bem frutas e verduras em água corrente, sobretudo se você pretende ingeri-los crus.
  •     Certifique – se de que os alimentos estão sendo cozidos da maneira certa. Em caso de dúvidas sobre a temperatura da água ou o tempo de cozimento corretos, consulte um bom livro de culinária.
  •     Degele completamente a carne de aves antes de levá- la ao fogo. As carnes de vaca, carneiro e peixe podem ser cozidas logo depois de serem tiradas do congelador.
  •     Se você fez um ensopado e pensa utiliza – lo em mais de uma refeição, cozinhe rapidamente, cubra e conserve num lugar frio, de preferência na geladeira. Esta precaução é particularmente importante se você pretende come-lo frio, ou deixá-lo para o dia seguinte.
  •     Se quiser manter a comida quente para alguém que chegará depois, mantenha – a aquecida a uma temperatura superior a 60ºC.
  •     Quando você for requentar a comida, faça-o de maneira que ela seja totalmente reaquecida e requente apenas a quantidade que você irá comer realmente.
  •     Não deixe a carne crua entrar en contato com a que está cozida ou assada. Evite comprar em estabelecimento onde carnes cruas e cozidas ficam juntas.

Alimentando-se fora de casa

Se quando comemos em casa é importante termos cuidado com a higiene dos alimentos e utensílios que manipulamos então esse cuidado deve ser ainda maior quando jantamos ou almoçamos fora de casa.
É imperioso verificar as condições de higiene do estabelecimento, incluindo a aparência, higiene e postura dos funcionários.

Por uma questão de precaução opte por alimentos bem passados ou bem cozidos. Uma boa forma de verificar se o alimento está bem passado é cortar ao meio um bife, hamburguer ou outro pedaço de carne. Se houver o menor sinal de sangue ou partes avermelhadas, deve-se solicitar que o produto seja mais bem passado. O peixe deve estar solto, em pedaços e não mole, quando cortado.
Os ovos, por seu turno, devem ser solicitados para serem bem fritos, não devendo ser consumidos se aparentarem estar mal cozinhados. Saladas ou outros alimentos devem ser evitados se tiver dúvidas quanto à sua lavagem.
Tenha cuidado com o consumo de peixe cru fora de casa. Mariscos crus, assim como carne crua de vaca ou frango podem estar contaminadas com bactérias patogénicas. Apesar de constituirem verdadeiras delícias para os apreciadores, ostras, sushi e sashimi são pratos que só devem ser consumidos se o restaurante for da sua confiança.

Cerca de 80% das pessoas já tiveram ou vão ter dor nas costas

Cerca de 80% das pessoas já tiveram ou terão dor nas costas em algum momento da vida. É o que afirma o ortopedista Raphael Marcon, um dos convidados do Bem Estar desta sexta-feira (15). O programa também contou com a participação de José Rubens D’Elia, nosso consultor, que mostrou atividades que combatem a dor lombar.

O fortalecimento muscular na região do tronco é muito importante. Normalmente, se a musculatura está bem condicionada, a postura correta vem naturalmente, não é o contrário. Forçar a postura de uma hora para outra, tentando melhorá-la, pode não funcionar, pois isso causa muita fadiga.

Além da musculatura forte, há uma série de cuidados diários, em atividades cotidianas, que ajudam a evitar o problema:

O colchão em que se dorme também pode agravar a dor. Ele deve ser firme o suficiente para que a coluna se mantenha reta. Por isso, é preciso trocar os colchões velhos, pois ele perde consistência e firmeza, e se torna prejudicial à saúde.

As dores lombares são musculares na maioria das vezes, mas nem sempre. Existem processos degenerativos na coluna que também causam essas dores.

Entre essas causas, encontram-se as hérnias de disco e a osteoartrose, mais conhecida como bico de papagaio. Outro problema comum é o estreitamento do canal lombar. Por esse canal passam os nervos que, comprimidos, levam dores para as pernas – dor no nervo ciático.

Benefícios dos probióticos para as mulheres

Olá pessoal!!! como vão??? feriadão chegando hein??! até um calorzinho resolveu fazer! Hoje achei essa reportagem super legal sobre a importancia dos probióticos para as mulheres…além de fazerem bem, nao engordarem tanto e serem saborosos, ajudam a regular o corpo!!! Leiam! e vc…homem que ta lendo….não de chocolates para sua mulher…de um probiótico! hauhauha. Até mais!!!

Os probióticos são aliados do corpo de mulheres de 0 a 100 anos. Além de agir na prevenção de alergias dos fetos em mulheres grávidas, na melhora das defesas imunológicas, na digestão e no trânsito intestinal, um estudo publicado na Clinical Infectious Diseases, em abril deste ano, sugere o consumo de probióticos para curar infecções urinárias e ginecológicas de uma forma natural, sem recorrer a antibióticos.

Os alimentos probióticos são velhos conhecidos das mulheres, que recorrem às chamadas “bactérias boas”, encontradas em iogurtes e em complementos alimentares lácteos, até para passar no cabelo e da pele. No entanto, não havia comprovação científica de que esses alimentos pudessem ajudá-las nos casos de infecções íntimas. Agora as mulheres podem contar com mais um aliado no tratamento desses sintomas.

Em uma palestra sobre a importância dos probióticos para a ginecologia, o médico francês Jean-Michel Delange disse que os lactobacilos tem um papel essencial que permite a manutenção da acidez natural da vagina e bloqueia a proliferação de micróbios. “A flora vaginal contém microorganismos e bactérias. É como se fosse um ecossistema que pode sofrer com invasões infecciosas”, afirma. “Com a ajuda dos probióticos, mesmo tomados por via oral, é possível restabelecer uma flora de lactobacilos correta”.

De acordo com o Dr. Delange, os três principais fatores de desequilíbrio dos germes protetores da flora vaginal são o desequilíbrio hormonal, o excesso de higiene, como duchas vaginais internas freqüentes, e medicamentos como os antibióticos. “O estresse e o tabaco também diminuem a imunidade íntima”, explica.

Você encontra bebidas lácteas fermentadas ricas em probióticos em supermercados.

Os probióticos são aliados do corpo de mulheres de 0 a 100 anos. Além de agir na prevenção de alergias dos fetos em mulheres grávidas, na melhora das defesas imunológicas, na digestão e no trânsito intestinal, um estudo publicado na Clinical Infectious Diseases, em abril deste ano, sugere o consumo de probióticos para curar infecções urinárias e ginecológicas de uma forma natural, sem recorrer a antibióticos.

Os alimentos probióticos são velhos conhecidos das mulheres, que recorrem às chamadas “bactérias boas”, encontradas em iogurtes e em complementos alimentares lácteos, até para passar no cabelo e da pele. No entanto, não havia comprovação científica de que esses alimentos pudessem ajudá-las nos casos de infecções íntimas. Agora as mulheres podem contar com mais um aliado no tratamento desses sintomas.

Em uma palestra sobre a importância dos probióticos para a ginecologia, o médico francês Jean-Michel Delange disse que os lactobacilos tem um papel essencial que permite a manutenção da acidez natural da vagina e bloqueia a proliferação de micróbios. “A flora vaginal contém microorganismos e bactérias. É como se fosse um ecossistema que pode sofrer com invasões infecciosas”, afirma. “Com a ajuda dos probióticos, mesmo tomados por via oral, é possível restabelecer uma flora de lactobacilos correta”.

De acordo com o Dr. Delange, os três principais fatores de desequilíbrio dos germes protetores da flora vaginal são o desequilíbrio hormonal, o excesso de higiene, como duchas vaginais internas freqüentes, e medicamentos como os antibióticos. “O estresse e o tabaco também diminuem a imunidade íntima”, explica.

Você encontra bebidas lácteas fermentadas ricas em probióticos em supermercados.

Por que queremos comer mais no frio?

Olá pessoal!!!!

Ta aí algo que eu sempre quis saber!!! porque nossa fome fica do tamanho do Godzilla no frio!!!! e aquela saladinha já não é mais tudo oq vc queria almoçar….

Achei a explicação na internet! vejam só!!!

O frio chegou. E com ele a vontade de comer mais. Sobretudo alimentos mais calóricos como chocolates, queijos, e preparações mais consistentes. Aquela salada que é uma delícia no verão já não atrai tanto.

Muitas pessoas percebem o aumento do apetite nos dias mais frios, mas não sabem exatamente por que isso acontece e o que se deve comer. Em dias frios, o que para a região sudeste significa algo em torno de 10 a 15 graus Celsius, a sensação térmica vai depender de alguns fatores como taxa de gordura corporal, grau de atividade física e a vestimenta. Quanto maior a sensação de frio, maior o apetite, já que em temperaturas extremamente baixas, o metabolismo basal pode aumentar em até 5 vezes.

A fome é uma resposta do organismo para aumentar o isolamento térmico através do aumento de gordura corporal. Por isso existe a preferência por alimentos ricos nesse nutriente. O calafrio é também uma forma de gerar calor através dos movimentos musculares que consome glicogênio muscular, aumentando a necessidade de energia do organismo.

A dica é: exercite-se mais! Gere calor através da queima das calorias da reserva e não as aumente ainda mais.

aqui vão alguns conselhos:

 

1. procure fracionar sua alimentação em 5 a 6 refeições/dia

2. não neglicencie as frutas. Agora é tempo de caqui, atemóia, tangerina, aproveite!

3. cuidado com consumo de gorduras elevado. Pegue leve na fondue de queijo, nas castanhas e frituras

4. moderação com álcool também é recomendável. O álcool tem 7 kcal/g enquanto os carboidratos tem 4!

Mantenha sua alimentação habitual dentro do possível e, se necessário, aumente discretamente as quantidades de todos os alimentos de forma equilibrada.

Anvisa veta uso do nome ‘ração humana’ em rótulo

Gente!!! Mais uma vez a ANVISA arrasou e mostrou quem é que manda! Essa proibição do termo ração humana vai dar o que falar! Mas eu acho certissimo porque ninguém garante o que estamos consumindo dentro daquele bando de pó ne?! acharam cada coisa ja…que é melhor nem comentar. Se é pra ser algo pra melhorar a saúde tem q ser certificado, estudado, etc…etc…

Na moda em dietas, as “rações humanas”, compostas de cereais e fibras e encontradas em mercados em todo o país, estão na mira da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A agência vai divulgar nesta terça-feira um alerta de que a substituição de uma refeição por esse produto traz riscos à saúde, já que ele não tem todos os nutrientes necessários para a alimentação saudável.

A nota também deve dizer que os produtos não podem usar o nome de “ração humana” nem colocar no rótulo propriedades medicinais, como redução de colesterol.

Estão liberadas frases que informem que o composto faz bem para a saúde (por exemplo, que melhora o funcionamento do intestino).

Mas, para isso, os fabricantes terão que pedir o registro do alimento na Anvisa e apresentar estudos que demonstrem essas características.

A iniciativa surgiu após questionamentos de órgãos de vigilância estaduais sobre esses produtos, afirma Ana Cláudia Araujo, especialista em alimentos da Anvisa.

“O nome `ração humana’ pode induzir o consumidor a engano e não diz claramente o que é aquele alimento.”

Segundo ela, alimentos vendidos com essa nomenclatura já estão em desacordo com a legislação sanitária.

As empresas responsáveis devem ser notificadas e receberão um prazo para cumprir a medida. Caso isso não ocorra, estão sujeitas a multa de até R$ 1,5 milhão.

SACIEDADE

Segundo a nutricionista Cristiane Coronel, o crescimento do mercado de ração humana se deve principalmente ao fato de o produto, por ter muitas fibras, aumentar a sensação de saciedade.

Pioneira nesse mercado, a empresa Takinutri afirma ter o produto disponível em 1.300 pontos de venda.

Lica Takagui Dias, uma das sócias, diz que o objetivo do produto não é substituir refeições, mas melhorar o funcionamento do intestino.

A nutricionista Daniela Jobst, do Centro Brasileiro de Nutrição Funcional, diz indicar aos seus pacientes produtos do tipo para casos em que há carência de fibras Ðnunca, no entanto, para substituir uma refeição.

Se isso for feito, alerta, faltarão nutrientes, principalmente proteínas, que não estão em grande quantidade nos compostos.

Já Valéria Paschoal, da VP Consultoria Nutricional, vê com preocupação o crescimento do mercado de ração humana. “Ela estabelece um padrão diário de alimentação, mas a regra básica da nutrição é a variedade dos alimentos”, afirma.

Segundo ela, o consumo exagerado pode causar hipersensibilidade, que leva a problemas como queda de cabelo e cansaço físico.

 

 

Rejeição dói de verdade.

Olá pessoal! Não tenho nada a comentar sobre o post de hoje, ele é totalmente auto-explicativo e me faz entender muitas coisas….

A dor da rejeição não é apenas uma figura de expressão ou de linguagem, mas algo tão real como a dor física.

Experiências intensas de rejeição social ativam as mesmas áreas no cérebro que atuam na resposta a experiências sensoriais dolorosas.

“Os resultados dão novo sentido à ideia de que a rejeição social ‘machuca'”, disse Ethan Kross, da Universidade de Michigan, que coordenou a pesquisa.

Os resultados do estudo serão publicados esta semana no site e em breve na edição impressa da revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Dores semelhantes

“A princípio, derramar uma xícara de café quente em você mesmo ou pensar em uma pessoa com quem experimentou recentemente um rompimento inesperado parece que provocam tipos diferentes de dor, mas nosso estudo mostra que são mais semelhantes do que se pensava”, disse Kross.

Estudos anteriores indicaram que as mesmas regiões no cérebro apoiam os sentimentos emocionalmente estressantes que acompanham a experiência tanto da dor física como da rejeição social.

A nova pesquisa destaca que há uma interrelação neural entre esses dois tipos de experiências em áreas do cérebro, uma parte em comum que se torna ativa quando uma pessoa experimenta sensações dolorosas, físicas ou não. Kross e colegas identificaram essas regiões: o córtex somatossensorial e a ínsula dorsal posterior.

Fim do relacionamento

Participaram do estudo 40 voluntários que haviam passado por um fim inesperado de relacionamento amoroso nos últimos seis meses e que disseram se sentir rejeitados por causa do ocorrido.

Cada participante completou duas tarefas, uma relacionada à sensação de rejeição e outra com respostas à dor física, enquanto tinham seus cérebros examinados por ressonância magnética funcional.

“Verificamos que fortes sensações induzidas de rejeição social ativam as mesmas regiões cerebrais envolvidas com a sensação de dor física, áreas que são raramente ativadas em estudos de neuroimagens de emoções”, disse Kross.

Categorias:CURIOSIDADES