Arquivo

Posts Tagged ‘ANVISA’

Importação de lixo e restos hospitalares dos EUA para o Brasil.

Olá pessoal! Para quem tem acompanhado este assunto, acredito que tenha o mesmo sentimento de revolta que eu.

A importação de lixo hospitalar dos EUA para o Brasil, que foi feita ilegalmente com notas falsas que diziam ” roupas de algodão com defeito”, e ainda por cima para uma fabrica textil. Mas agora eu me pergunto: será que foi a primeira vez q isso aconteceu?? será que nao estamos usando roupas com esse tipo de material perigosamente infectante??? É um assunto que esta dando o que falar e a cada dia aparece alguma coisa nova e mais revoltante.

Achei esta noticia hoje no UOL Noticias. Leiam.

Responsável pela importação de lixo e restos hospitalares dos EUA para o Brasil, a empresa N A Intimidade Ltda-ME, com sede em Santa Cruz do Capibaribe (a 185 km do Recife), recicla o material norte-americano, transforma-o em cortes de bolso e vende os produtos a fábricas de confecções de todo o país e até a outros países pela internet.

Segundo apurou o UOL Notícias, a “Império do Forro de Bolso” –nome fantasia da empresa– teria surgido em 2009 e é hoje a maior do polo têxtil pernambucano, localizada no agreste do Estado e responsável pela produção de 57 milhões de peças ao mês.

Além de vender diretamente em lojas nas cidades de Santa Cruz do Capibaribe e Toritama, a empresa usa sites de venda direcionados a produtos têxteis nacionais e internacionais, com linguagem em inglês e em espanhol, para anunciar seus produtos. O contato da empresa sempre é o seu diretor Altair Teixeira de Moura.

Em uma das páginas, que divulga produtos em inglês, a Império do Forro de Bolso aponta que vende “forro de bolso para calça jeans social, cortados sob sua medida”. Não há, porém, a confirmação de concretização de vendas para outros Estados ou países.

Enquanto nas lojas de Santa Cruz do Capibaribe e de Toritama o quilo do tecido é vendido por R$ 8,50, pela Internet a empresa vende, em sua página oficial, vários modelos de forros prontos a R$ 14 o quilo. O site da empresa é recente: foi criado em 31 de janeiro deste ano.

A página utiliza a ferramenta de vendas eletrônicas e aceita encomendas e pagamento com vários tipos de cartão de crédito. Aempresa cita, entre “os princípios que nos guiam”, a honestidade, transparência e atitude positiva na aplicação das políticas internas e no cumprimento das leis” como “valores” adotados. A N A Intimidade Ltda-ME, porém, é acusada de descumprir a lei brasileira, que proíbe a entrada de resíduos químicos que ponham em risco à população e o meio ambiente.

(…)

Procurada pelo UOL Notícias na semana passada, a Receita Federal disse que não pode conceder informações de faturamento de empresas por conta do sigilo fiscal previsto na lei brasileira.

Apesar da ausência de dados oficiais da empresa, o potencial de mercado pode ser percebido pela quantidade de material importado. Segundo a Receita Federal, este ano já foram importados oito contêineres de “tecido de algodão danificado” dos EUA –cada um com 23 toneladas de produtos. Os dois últimos que chegaram este mês foram vistoriados e estavam repletos de lixo hospitalar.

Além dos oito contêineres, a Anvisa (Agência Nacional Vigilância Sanitária) informou que outros 14 contêineres estão para chegar esta semana, vindos também dos EUA. Somadas as cargas, a empresa teria importado 506 toneladas de lixo e restos hospitalares para vender como tecido para forro de bolso. Se vende-se cada quilo por R$ 8,50, como oferece em seis galpões, por exemplo, a empresa poderia faturar R$ 4,3 milhões.

Segundo as primeiras análises, a importação dos de “tecidos de algodão com defeito” teria começado ainda em 2009, quando o proprietário da “N A Intimidade Ltda-ME”, Altamir, deixou a sociedade de outra empresa, a Forrozão Retalhos, para fundar a nova empresa.

Os funcionários da empresa confirmaram a fiscais sanitários que a importação dos restos hospitalares ocorre há vários meses. O presidente da Apevisa (Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária), Jaime Brito de Azevedo, afirmou que os empregados relataram que encontravam vários tipos de material hospitalar misturados a lençóis, que eram recortados para se transformarem em forros de bolsos.

“Um dos funcionários me disse que questionou sobre a procedência do material e o proprietário afirmou que não era uma sujeira perigosa. Mas apenas ele usava luvas e máscaras para se proteger e os demais não tinham o mínimo de cuidado no manuseio”, relatou Azevedo.

A reportagem tentou contato com o dono da Império do Forro de Bolso, mas ele não atendeu as ligações feitas para seu celular.

 

A ANVISA e os anorexígenos.

Durante toda a semana vários meios de comunicação falaram sobre o debate que a ANVISA organizou para discutir o futuro dos anorexígenos no País, era tanta informação que ficou até dificil de acompanhar tudo. Muitos profissionais abraçando opiniões diferentes, expondo argumentos, citando casos pertinentes e no meio de tudo isso a ANVISA tentando chegar a algum lugar.

 

Para tentar centralizar o assunto, a própria instituição criou um Hotsite sobre inibidores de apetite. O site é excelente, tem diversos textos, histórico sobre as decisoes referentes aos inibidores, entrevistas, artigos, notícias e etc…

Li diversos artigos sobre o assunto na internet, coloquei aqui 3 citaçoes para que possam ver que o assunto é muito mais complexo do que imaginamos e que esse assunto ainda dará “ muito pano pra manga”….

 

De um lado, a ANVISA se vale de estudos publicados em periódicos especializados, inclusive internacionais, para argumentar fragilidades na segurança e eficácia dos medicamentos. De outro, sociedades médicas valem-se de sua experiência empírica, nos consultórios, para atestar a eficiência do tratamento com esses mesmos medicamentos no controle da obesidade de seus tantos pacientes.

( Rosana Castrolink do artigo)

 

Resta saber se o consumo destes produtos tem sido feito para atender aquela parcela da população que não responderia satisfatoriamente as formas consideradas mais saudáveis e mais seguras de tratamento, dieta e exercícios físicos e ainda para aqueles que não se recomenda a cirurgia.

Entretanto, os números parecem indicar o uso indiscriminado destes produtos possivelmente até por pacientes que não teriam indicação terapêutica. Neste caso, a solução poderia ser um maior controle, sobre a utilização destes medicamentos, por parte da Anvisa na perspectiva da prescrição, da dispensação e do uso mais racional destes medicamentos. Para isso, faz-se necessária, entre outras medidas, uma ação estruturante da assistência farmacêutica em todo o país.

(Célia Chaves – link do artigo)

 

Os anorexígenos causam redução modesta de peso corporal, que não é mantida com a interrupção do tratamento. Além disso, não há evidências de que a redução adicional de peso obtida com o tratamento farmacológico diminua a morbi-mortalidade associada à obesidade. A ausência de evidências consistentes de eficácia, aliada aos severos efeitos adversos centrais e cardiovasculares observados com a sibutramina, femproporex, mazindol e anfepramona, tornam insustentável a manutenção desses medicamentos no mercado.

(Francisco José Roma Paumgarttenlink do artigo)

No site que a ANVISA fez para o assunto, existem mais textos interessantes…para ficar por dentro do assunto, só indo lá mesmo e acompanhar…

vamos aguardar e ver o que será decidido ne?!

Boa semana!!

 

Medicamentos para o SUS terão setor exclusivo na Anvisa

Olá pessoal!!!!! olhem que legal a reportagem que vi hj no site da ANVISA!!! pelo menos para o SUS a coisa vai ser masi rápida ne?!

Os medicamentos estratégicos para o SUS terão uma área exclusiva na Anvisa para garantir que o seu registro seja feito de forma mais ágil. Foi publicado nesta quinta-feira (26/5) a Portaria 706 da Anvisa que cria a Coordenação de Registros e Pós Registro de Medicamentos de Interesse Estratégico do Sistema Único de Saúde (SUS). De acordo com o Diretor Presidente da Anvisa, Dirceu Barbano, com a nova estrutura o acesso aos medicamentos pelo SUS será reforçado. “Essa medida vai permitir mais acesso da população aos medicamentos e mais economia do governo na compra destes produtos. É uma garantia de que aquele medicamento mais importante para a saúde pública vai ter o seu processo de aprovação de forma mais rápida e com todas as garantia de qualidade.” A Anvisa tem adotado uma série de ações para garantir a chegada de novas opções de medicamentos ao mercado. Entre essas medidas está a priorização de genéricos que não têm concorrência no mercado e a instituição de comitês específicos para agilizar o registro de medicamentos desenvolvidos por meio de Parcerias Público Privadas. Para Dirceu Barbano são medidas que melhoram a capacidade do SUS de entregar ao cidadão os medicamentos que ele necessita. “A Anvisa tem voltado todos os seus esforços para facilitar a chegada de novos medicamentos ao mercado, especialmente aqueles que têm maior importância nas políticas públicas de saúde. A criação de uma área na Anvisa para analisar com exclusividade os medicamentos de interesse estratégico para o SUS é uma sinalização muito clara de que os medicamentos que têm mais importância para a população serão priorizados.”

Caralluma Fimbriata será retirada do comércio.

Mais uma frustração para quem ainda espera o medicamento que vai trazer a magreza e o corpo perfeito. A plantinha milagrosa da vez era a Caralluma, que prometia a aceleração do metabolismo, eliminação de toxinas e gorduras do organismo.

Porém, a Anvisa informou que até o momento nenhum produto que a contenha encontra-se regularizado no País, tendo em vista que não há qualquer comprovação em relação à sua segurança e eficácia.

Pra isso ja foi publicada no Diário Oficial da União, a suspensão da importação da Caralluma Fimbriata, sua fabricação, distribuição, manipulação, comércio e o uso em todo o território nacional.

“As substâncias foram recolhidas e lacradas. Proibidas de serem comercializadas, elas foram mantidas armazenadas nos próprios estabelecimentos, que estão como fiéis depositários do produto”, expôs a coordenadora da equipe de inspetoria, Paula Lacerda.

O que acho ” engraçado” é que somente após a reportagem do programa Fantástico, da rede Globo no domingo,  que o assunto veio a tona, a população se desesperou e o medicameno que até ja estava em falta em muitos lugares, se tornou um vilão. A ANVISA tentou resolver, investigar e acabou proibindo apenas após a reportagem na Tv. Antes disso, todos estavam consumindo o produto livremente. E onde estava toda a fiscalização de produção e registro do produto???

Apenas após sairem na Tv as coisas são realmente vistas pelo povo e pelas autoridades, e sabemos que o Fantástico tem poucos embasamentos cientificos e credibilidade arranhada em muitos aspectos.

Qual será a proxima plantinha q vai resolver os problemas da humanidade? Vamos aguardar…

Estudo sobre a quantidade de sódio nos alimentos.

Olá Pessoal!!! Como vão???

Hoje fiquei pelo menos meia hora lendo o relatório da ANVISA sobre a quantidade de sódio e gordura trans em determinados alimentos. Fiquei espantada com o resultado, alimentos que comemos normalmente e que na verdade são grandes vilões na nossa alimentação.

A alta ingestão de sódio pode prejudicar todo o nosso organismo. Tenho um grande amigo que com 25 anos é hipertenso e tem que tomar medicamentos de alta dosagem para controla-la e tudo pela quandidade de sódio que ele consome e mais aquele salzinho que ele adora acrescentar a comida.

Pessoal, vamos prestar atenção na quantidade de sódio e gordura trans dos alimentos que compramos, a hipertensão e a obesidade são os grandes problemas de saúde na sociedade moderna.

Aqui vai a reportagem que está no site da ANVISA, e quem estiver interessado leia o relátorio também, é bem dinâmico e tem vários gráficos impressionantes, o link está no começo do post, vale a pena!!!!

” A quantidade de sódio encontrado na batata palha pode variar em até 14 vezes de marca para marca.  Já nos salgadinhos de milho, essa diferença chega a 12,5. É o que revela estudo apresentado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesta quinta-feira (18/11), em Brasília. O estudo verificou a quantidade de sódio, gordura saturada, gordura trans e açúcares em mais de 20 categorias de alimentos industrializados.

O caso do macarrão instantâneo com tempero também chamou atenção pela grande quantidade de sódio encontrada. “Em algumas amostras ficou constatado que, ao comer uma única porção desse alimento, a pessoa está ingerindo 167% do sódio recomendado para ser consumido durante todo dia”, explica a diretora da Anvisa Maria Cecília Brito.

Quando analisados isoladamente, o macarrão instantâneo e os temperos para macarrão instantâneo, além da grande quantidade de sódio, apresentam uma grande oscilação desses teores de marca para marca. A variação chega a 7,5 na quantidade de sódio nos macarrões instantâneos e a 7,2 nos temperos.

De acordo com Maria Cecília, essa diferença encontrada nos teores de sódio, nas diferentes marcas de alimentos, comprova que a indústria pode produzir alimentos mais saudáveis. “Vamos encaminhar essa pesquisa para o Ministério da Saúde, para que seja pactuado entre Governo Federal e as indústrias de alimentos uma redução das quantidades de gorduras, açúcar e sal nos alimentos processados”, afirma a diretora da Anvisa.

Bebidas

A pesquisa da Anvisa apontou, ainda, que os níveis de sódio dos refrigerantes de baixa caloria, tanto à base de cola quanto à base de guaraná,  apresentam maiores valores de sódio em relação aos refrigerantes comuns. Nos refrigerantes de cola, a média dos teores de sódio encontrada foi de 54mg/l, enquanto nos refrigerantes de cola de baixa caloria essa média foi de 97mg/l.

Já nos refrigerantes de guaraná, os valores médios de sódio encontrados no produto convencional e no de baixa caloria foram 81 mg/l e 147 mg/l respectivamente. “Esses valores mais altos podem ser explicados pelo uso de aditivos, como o ciclamato de sódio, nos produtos de baixa caloria. Entretanto, é preciso considerar que existem limites estabelecidos e que a quantidade utilizada dessas substâncias não representa um risco para a saúde”, pondera Maria Cecília.

No caso dos sucos, bebidas com concentração de polpa da fruta entre 30 e 50%, a pesquisa indicou menor quantidade de açúcar nas amostras de suco de manga (9,8g/100ml) e maior quantidade do referido nutriente no suco de uva (14,5 g/100 ml). Já para os néctares, bebidas com concentração de polpa de fruta entre 20 e 30%, os menores índices de açúcares totais foram encontrados nos sabores de laranja, maçã e pêssego com uma média em torno de 11g/100ml. Já os néctares de uva são os campeões em teores de açúcares totais com índices que chegam à 14g/100ml.

Gorduras

Para gorduras saturadas, chama atenção a grande quantidade de marcas de alimentos com teores superiores à média encontrada na respectiva categoria.  No caso das batatas fritas, 17 das 28 marcas analisadas estavam com teores de gordura saturada acima da média.

Nas batatas palhas, 55% das marcas analisadas estavam com teores de gorduras saturadas com valores superiores à média desse nutriente para o respectivo produto. Já nos salgadinhos de milho, o maior valor encontrado de gordura saturada (2,6g/25g) foi dez vezes maior que o valor mínimo (0,25g/25g).

Nos biscoitos, o que apresentou os maiores teores de gorduras, tanto saturadas quanto trans, foram os de polvilho. “Com essas informações em mãos, que apontam tanto uma variação de nutrientes dentro de uma mesma categoria de alimentos, quanto entre categorias diferentes, fica mais clara a necessidade de o consumidor observar com atenção as tabelas nutricionais nos rótulos dos alimentos e optar por alimentos mais saudáveis”, orienta a diretora da Anvisa.

Fortificação de farinhas

O estudo da Anvisa também analisou o teor de ferro nas farinhas de trigo e de milho. O objetivo foi verificar se a fortificação obrigatória dessas farinhas com ferro e ácido fólico estava sendo cumprida. De acordo com a Resolução RDC 344/2002 da Agência, a cada 100g de farinhas de trigo e de milho, deve haver no mínimo 4,2 mg de ferro.

Os resultados apontaram que 87% das amostras de farinha, fubá e floco de milho apresentaram teor de fero inferior ao determinado. Já na farinha de trigo, 54% das amostras apresentaram resultados insatisfatórios.

Dados

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2001, 60% do total das 56,5 milhões de mortes notificadas no mundo foi resultado de doenças crônicas não-transmissíveis.  Além disso, o aumento da pressão arterial no mundo é o principal fator de risco de morte e o segundo de incapacidades por doenças cardíacas, acidente cérebro vascular e insuficiência renal.

Já dados do IBGE indicam que, em 2009, uma em cada três crianças brasileiras na faixa de 5 a 9 anos estava com sobrepeso, sendo que a obesidade atingiu 16,6% dos meninos e 11,8% das meninas.  Durante o período de 1974 a 2009, a prevalência de sobrepeso em crianças e adolescentes, entre 10 e 19 anos, passou de 3,7% para 21,7% no sexo masculino e de 7,6% para 19,4% no sexo feminino. Nesse mesmo período, o sobrepeso na população adulta masculina passou de 18,5% para 50,1%, enquanto que na feminina foi de 28,7% para 48%. ”

Site da ANVISA.

Novas regras para o uso de antibióticos.

Olá pessoal!!

Agora sim, com a noticia saindo quentinha no site da ANVISA podemos discutir corretamente sobre o assunto.

Os Antimicrobianos JÁ DEVERIAM, ser vendidos apenas com a apresentação de receita médica, mas como bem sabemos isso não ocorre. O consumidor simplesmente compra sem saber direito como tomar e se realmente deve tomar o medicamento, a farmácia, por sua vez, visando o lucro grandioso no final do mês, não toma as devidas providencias em relação ao consumo de antibióticos.

Quais as consequencias de tudo isso??? A resistência e a mutação bacteriana. Obrigando aos orgãos públicos atitudes drásticas e de rígido controle para que a saúde pública consiga ser mantida.

Na nova medida a retenção das receitas dos antibióticos será obrigatória a partir de 28 de novembro de 2010. A partir deste dia, os prescritores devem atentar para a necessidade de entregar, de forma legível e sem rasuras, duas vias do receituário aos pacientes.

As embalagens e bulas também terão que mudar e incluir a seguinte frase: “VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA – SÓ PODE SER VENDIDO COM RETENÇÃO DA RECEITA”. As empresas terão 180 dias para fazer as adequações de rotulagem.

Um detalhe muito importante e que deve ser bem observado é que as receitas médicas referentes a antimicrobianos  valem por apenas 10 dias. Se você precisa tomar um antibiótico, não adianta esperar 10 dias para compra-lo pois as bactérias já estarão fazendo a festa no seu organismo. Então tome o mais rapido que puder, e caso o prazo tenha passado, volte ao médico e relate o ocorrido, ele poderá te receitar um outro antibiótico, talvez mais forte, caso for necessário.

As medidas valem para mais de 90 substâncias antimicrobianas, que abrangem todos os antibióticos com registro no país, com exceção dos que tem uso exclusivo no ambiente hospitalar.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que mais de 50% das prescrições de antibióticos no mundo são inadequadas. Só no Brasil, o comércio de antibióticos movimentou, em 2009, cerca de R$ 1,6 bilhão, segundo relatório do instituto IMS Health.

Mais informações e a resolução na íntegra veja no site da ANVISA

Pulseira bioquântica.

Olá Pessoal!!! como vão??? Feriadão chegando hein?! Maravilha!

Achei na internet algo que procurava há um tempo pra colocar aqui, sobre a pulseira bioquântica, que virou moda entre os famosos e atletas e logicamente rodou o mundo, mas ela não passa de uma grande mentira.

O post de hoje vou dedicar ao meu primo que insistiu em comprar a pulseira bioquântica ou, segundo ele, a “pulseira do equilíbrio”, mesmo eu falando que é charlatanismo.

Gente, vamos parar de acreditar em qualquer coisa fashion que promete milagres que vemos por aí, ok?!

confiram!

” Anvisa analisa comércio de pulseira bioquântica

Vendidas com o apelo de melhorar o equilíbrio e ativar a circulação sanguínea, as pulseiras bioquânticas tiveram sua publicidade suspendida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Esses braceletes, que prometem “estabilizar a energia do corpo”, começaram a ser usados por atletas. Celebridades foram fotografadas com as tiras de silicone adornadas por um holograma. A Anvisa informou que pode proibir o comércio das pulseiras no país.

A pulseira original, americana, tem a marca Power Balance. A genérica brasileira é da marca Life Extreme. Tanto uma quanto outra estão sendo investigadas e deverão ser processadas por publicidade irregular, segundo Ana Paula Massera, gerente de fiscalização de propaganda da Anvisa.

Charlatanismo

A Power Balance propaga em seu site que o uso da pulseira aumenta a concentração e a força física porque contém um holograma que “otimiza a fluência energética natural do corpo”. O site da pulseira brasileira, vendida na internet a R$ 159, dá explicação similar.

Vanderli de Assis, que afirma ter criado o modelo brasileiro e se apresenta como professor de física da Universidade Federal de Minas Gerais (não há registro dele na universidade), diz que o holograma, formado por camadas de magnésio, alumínio, ferro e silício, “emite uma frequência que gera estabilidade no campo eletromagnético do ser humano”. Assim, o corpo não seria afetado por frequências externas como ondas de equipamentos eletrônicos, daí o maior equilíbrio do usuário.

Para Marcos Duarte, professor de biodinâmica da Faculdade de Educação Física da USP, as explicações são “charlatanismo quântico”. “A ideia de que um holograma possa interagir com as frequências do corpo e trazer benefício ao equilíbrio é puramente falsa”, diz.

Cláudio Furukawa, do Instituto de Física da USP, reforça: “Não há explicação cientifica para isso. Holograma não emite onda”.  ”

Fonte: site Saúde Plena.